Canal de comunicação com os leitores:

Este blog foi criado em 02 de dezembro de 2009,
como suporte aos meus alunos, contudo, estou aposentada desde 10 de março de 2012, sem atividade de ensino, não tendo mais interesse de desenvolver alguns assuntos aqui postados. Continuo com o blog porque hoje está com > 237.000 visitantes de diversos lugares do mundo. Bem-vindo ao nosso ambiente virtual. Retorne com comentários e perguntas: lucitojal@gmail.com.
http://www.facebook.com/luci.tojaleseara

Tenho 17 vídeos no youtube: lucitojaleseara.

São muitas as postagens, cerca de 400, veja a lista de marcadores no lado direito do blog.

Falo sobre composição, valor nutritivo dos alimentos e biodisponibilidade dos nutrientes. Interações entre nutrientes: reação de Maillard e outras reações com proteínas, principalmente AGEs (Advanced Glycation End Products) e a relação desses compostos com as doenças crônicas: Diabetes, Alzheimer, câncer, doenças cardiovasculares entre outras. Atualmente, dedico-me mais ao conhecimento dos AGEs (glicação das proteínas dos alimentos e in vivo).

"Os AGEs (produtos de glicação) atacam praticamente todas as partes do corpo. É como se tivéssemos uma infecção de baixo grau, tendendo a agravar as células do sistema imunológico. O caminho com menos AGEs; escapa da epidemiologia dos excessos de alimentação" disse Vlassara. http://theage-lessway.com/

ATENÇÃO: A sigla AGEs não significa ácidos graxos essenciais.

Consulte também o http://lucitojalseara.blogspot.com/ Alimentos: Produtos da glicação avançada (AGEs) e Doenças crônicas.

terça-feira, 29 de junho de 2010

240- Pirâmide alimentar 2010



Dentro da Pirâmide Alimentar grupos Última modificação:
12 de maio de 2010 02:26 ...em português

Relatório do Dietary Guidelines Advisory Committee
sobre o Dietary Guidelines for Americans, 2010

USDA Nota à Imprensa - 15 de junho de 2010 PDF / TXT
Federal Register Comunicação - 15 de junho de 2010 PDF / TXT
Q & A - PDF / TXT


Front Cover PDF
Carta aos secretários PDF
Índice PDF
Dietary Guidelines Comité Consultivo Composição PDF

PARTE A Resumo PDF

PARTE B Ajustando o estágio e integração da evidência PDF (1.6MB)
Seção 1: Introdução PDF
Seção 2: A Dieta Total: Combinação de nutrientes, consumindo alimentos PDF (2,6 MB)
Seção 3: Transposição e Integração da Prova: Um Chamado à Ação PDF (1.9MB)

PARTE C Metodologia PDF

PARTE D Ciência da Base
Seção 1: Balanço de Energia e Controle de Peso PDF (1.9MB)
Seção 2: adequação de nutrientes PDF (6.6MB)
Seção 3: ácidos graxos e colesterol PDF (1.6MB)
Secção 4: Proteína PDF
Secção 5: Carboidratos PDF
Seção 6: Sódio, Potássio e Água PDF (1.2MB)
Secção 7: Álcool PDF
Seção 8: Segurança Alimentar e Tecnologia PDF

PARTE E Apêndices PDF
Apêndice E-1: Principais conclusões PDF
Apêndice E-2: Glossário de Termos PDF
Apêndice E-3: USDA Food Análises padrão PDF
Apêndice E-4: História do Dietary Guidelines for Americans PDF
Anexo E-5: Comentários Pública PDF
Apêndice E-6: Esboço Biográfico dos membros DGAC PDF
Anexo E-7: Agradecimentos PDF
Para enviar comentários sobre a comissão do Relatório Final, ou para assistir a uma reunião pública / apresentar as suas observações sobre o relatório oral, clique aqui.

Clique aqui para visitar o USDA provas de Nutrição Library (NEL) para acessar a 2010 diretrizes dietéticas baseadas em evidências Comité Consultivo NEL revisões sistemáticas.

Informações adicionais relacionadas com o relatório PDF
Recurso 1: O consumo alimentar infantil PDF
Recurso 2: Implicações de alérgenos alimentares e Abastecimento Safe PDF (1.5MB)
Recurso 3: e organicamente produzidos alimentos convencionais PDF




A nova pirâmide alimentar que 2010 foi lançado recentemente pelos Estados Unidos -Departamento de Agricultura faz muito sentido. Ao contrário de pirâmides alimentares anteriores, é muito mais fácil de entender. Considerando que a nova pirâmide alimentar de 2010 é caracterizado como uma listagem vertical dos seis principais tipos de alimentos. A nova pirâmide alimentar é colorida e simples. Além disso, quando você vai para a página Web que está listado para a nova pirâmide, que é interativo e fornece informações que se adapta à sua vida particular.

Todo mundo é diferente

Ao contrário da antiga pirâmide alimentar, a nova pirâmide alimentar leva em conta que todos são diferentes. As pessoas comem e queima calorias baseado em componentes diferentes do seu estilo de vida. Esses componentes podem ser qualquer coisa, como idade, nível de atividade ou condições de saúde subjacente.

Ajuste de acordo

A antiga pirâmide alimentar as informações fornecidas com o pressuposto de que todos pudessem comer os mesmos tipos e quantidades de alimentos. Isso não faz muito sentido para a pessoa média. Por exemplo, de acordo com a pirâmide alimentar antiga que foram autorizados a comer seis porções de pão. Surpreendentemente, o subsídio e a parcela foi a mesma que serve para uma criança de dois anos como era para um menino que cresce na adolescência. Uma pessoa experiente sabia que havia um ajuste a ser feito, mas não sabe exatamente como fazer isso. Como resultado, é por isso que a pirâmide de idade era difícil de entender e seguir.

Obviamente, todo mundo come diferentes tipos e porções de comida. A nova pirâmide alimentar compreende isso. Quando você ir para o site, você pode introduzir na sua informação, tais como sua idade, altura, peso e nível de atividade. Você será dado um plano alimentar personalizado que segue os principais grupos alimentares. Você sabe comer diariamente. O plano médio é composto por seis onças de grãos, 2,5 xícaras de vegetais frescos verde, 1,5 xícaras de frutas, 3 xícaras de leite e cinco onças de carne e feijão. Mas, lembre-se, obviamente, ser diferente para cada pessoa.

Necessidades Especiais

No entanto, há ainda planos de dieta para as categorias de pessoas que teriam planos de dieta especial, como gestantes, nutrizes e crianças entre as idades de 2-5 anos de idade. Pessoas dentro desses grupos têm necessidades alimentares especiais que o velho pirâmide alimentar não aborda. No entanto, a fim de obter um plano de dieta especial, você só tem a chave em suas informações pertinentes, e você obterá um plano alimentar que é personalizado para você.

É bom saber que você não tem que tomar essas decisões sozinho. Você será avisado de algumas boas opções. A antiga pirâmide alimentar, não conta para estilos de vida especial.

Tudo somado, o novo 2010 pirâmide alimentar é um grande avanço sobre o antigo. Ele não deixar ninguém na dúvida sobre o que comer. Alimentação seleções são baseadas em diferentes componentes do seu estilo de vida, tais como idade, peso, altura e nível de atividade. Você tem um roteiro realista para usar se você quer perder peso ou apenas quer manter o peso que você já tem. A nova pirâmide alimentar é interativo e será mais fácil de usar, a longo prazo.

Duke Catering foi iniciado em 2000, Nancy e Duke Bernard, ambos os quais são muito experientes e food service bem educados e profissionais da restauração. Eles tornaram-se rapidamente um dos maiores e mais rápido crescimento no sector da restauração diversificada área de Nova Jersey sul. Duke Catering oferece serviço de alimentação escolar para mais de 1800 crianças das escolas por dia em South Jersey e também fornece evento catering para empresas e particulares.

Bernard e Nancy Duke são membros orgulhosos do Programa de Alimentação Escolar e participar de seminários regularmente. Elas estão focadas em promover a "bem-estar" entre as muitas crianças que gostam de seus almoços diários. Eles planejam cuidadosamente seus menus foco na adição de mais saboroso, mais leve e mais refeições nutritivas às suas almoço saudável ofertas. Para mais informações sobre os serviços oferecidos pela Duke visita Catering DukeCatering.com

Fonte do artigo: http://EzineArticles.com/?expert=Bernard_Duke

sábado, 26 de junho de 2010

239- AGEs resumo- Vlassara 2009

Vlassara Helen; Uribarri Jaime, Luigi Ferrucci, Cai Weijing, Massimo TORREGGIANI; James Post B; Feng Zheng, Gary Atacante E . Identificar os produtos finais da glicação avançada como uma importante fonte de oxidantes no envelhecimento: implicações para a gestão e / ou prevenção de função renal reduzida em pessoas idosas. Seminários em nefrologia. 2009;29(6):594-603.

O envelhecimento é caracterizada pelo aumento da inflamação e estresse oxidativo (OS). A redução da função renal esteve presente em mais de 20% de indivíduos normais para a idade no Nacional de Saúde e Nutrição (NHANES) estudo de corte transversal da população E.U.. Estudos longitudinais, nos Estados Unidos e Itália, mostraram que a função renal não diminui, em alguns indivíduos, sugerindo que a busca de causas da perda da função renal em algumas pessoas pode ser indicada e intervenção para reduzir este resultado deve ser procurada. Porque os produtos de glicação avançada (AGEs) induzem a inflamação e OS, acumulam com a idade, e principalmente são excretados pelo rim, como resultado da função renal reduzida no envelhecimento, a eliminação AGE poderia ser diminuída. O acúmulo de AGEs com função renal reduzida pode contribuir para a inflamação, aumento do estresse oxidativo e acúmulo de AGEs no envelhecimento. De fato, os resultados de um estudo longitudinal de adultos normais durante o envelhecimento na Itália mostrou que a correlação mais significativa com a mortalidade era em nível da função renal. A clara ligação entre a inflamação, OS, AGEs e doença crônica foi demonstrada em estudos de ratos que mostraram que a redução dos níveis de AGE por drogas ou diminuição da ingestão de AGEs reduz a doença renal crônica (DRC) e doenças cardiovasculares do envelhecimento. Os dados suportam um papel para as AGEs no desenvolvimento da lesão renal em ratos e mostram que o envelhecimento e os AGEs na dieta são muito importantes contribuintes para as lesões renais e cardiovasculares. AGEs através de dois receptores de sinal, um dos quais é anti-inflamatória (AGER1) e o outro é pró-inflamatórias (RAGE). Superexpressão de AGER1 protege contra OS e lesão vascular aguda. A redução dos AGEs na dieta é tão eficaz na prevenção de lesões relacionadas com o envelhecimento cardiovascular e renal em ratos como o visto com a restrição calórica. Estudos realizados em adultos normais de todas as idades e pessoas com DRC sugerem que a descoberta com os camundongos podem ser diretamente aplicável ao envelhecimento e CKD. Ou seja, o teor dietético de AGEs determina os níveis séricos de AGEs e mediadores inflamatórios e níveis etários urina em indivíduos normais e portadores de DRC. Mais importante, a redução dos AGEs controla essas alterações em indivíduos normais e portadores de DRC, e as mudanças fenotípicas em AGER1 são reduzidas em pacientes com DRC, diminuindo a quantidade de AGEs consumida com a dieta. Estes dados sugerem que as alterações na função renal no envelhecimento normal podem ser sujeitas a controle e esse assunto merece uma atenção renovada.

Os AGEs dietéticos são antioxidantes que podem induzir estresse oxidativo(OS) sistêmico. Os OS predispõe ao desenvolvimento de doenças cardiovasculares e renais crônicas (W Cai et al., 2008).

Os níveis de produtos finais da glicação avançada (AGEs), fatores pró-oxidantes ligados a doenças crônicas, como diabetes, doença cardiovascular e doença renal, também aumentam com o envelhecimento. AGEs são facilmente obtidos a partir de alimentos tratados termicamente (Uribarri J et al. 2007).

238- Ovário policístico





O ovário é o órgão responsável pela ovulação e também pela
produção de hormônios femininos.

quinta-feira, 24 de junho de 2010

235- Alzheimer e AGEs


Miranda VH; Outeiro TF. The sour side of neurodegenerative disorders: the effects of protein glycation. J Pathol. 2010; 221(1): 13-25.

O aumento na esperança de vida observada no último século levou ao surgimento de uma série de doenças relacionadas à idade que colocam novos desafios para as sociedades modernas.
Doenças neurodegenerativas, incluindo Alzheimer, Parkinson, esclerose lateral amiotrófica e as doenças do prions, são debilitantes e até agora doenças incuráveis que exigem uma intensa pesquisa. Estas doenças são caracterizadas por uma lenta e progressiva perda de células neuronais, e pela deposição de proteínas desorganizadas e agregadas no cérebro, ambas intra ou extracelularmente. As doenças neurodegenerativas estão associados com o desdobramento e deposição de proteínas específicas, quer intra ou extracelular no sistema nervoso.
Agentes químicos endógenos, tais como oxigênio e açúcares redutores (estresse oxidativo e carbonilíco) desempenham papel importante nos danos de biomoléculas, levando à perda de sua função normal e, finalmente, a disfunção celular e morte.

A glicação de proteínas ocorre em proteínas desdobradas e agregadas,
provocando desenlace das proteínas (intermediários desenovelados) e posterior auto-agregação em fibrilas amilóides insolúveis. Os principais alvos são biomoléculas com grupos amina livre, tais como proteínas, nucleotídeos e também alguns fosfolipídios. Cadeias laterais dos resíduos de arginina e lisina, o grupo N-terminal de aminoácidos das proteínas, e os grupos tiol das cisteínas, são os principais metas de glicação de proteínas.

A glicação é responsável por um aumento tanto da estabilidade de proteínas através da formação de ligações cruzadas e a resistência a protease. AGEs podem levar a danos celulares interagindo com RAGE, induzindo ao estresse oxidativo e respostas inflamatórias celulares.
Além disso, a glicação pode ser responsável, através do receptor para AGE (RAGE), por um aumento do estresse oxidativo e inflamação através da formação de espécies reativas de oxigênio e a indução de NF-kB.

Algumas conseqüências fisiológicas da glicação de proteínas incluem o desenvolvimento de diabetes mellitus e disfunção cardíaca, distúrbios visuais, nefropatia, doenças vasculares aterosclerose e diabetes.
A glicação tem relevância clínica fundamental, uma vez que pode ser utilizado como um biomarcador específico para diversas doenças. No diabetes, por exemplo, os AGEs podem ser utilizados como marcadores de lesão tecidual e pode prever complicações a longo prazo.
As técnicas não-invasivas foram desenvolvidas para avaliar os níveis de AGEs na pele, como o leitor de auto-fluorescência, que rapidamente medem a auto-fluorescência da pele e, portanto, o acúmulo AGE.

Este processo depende várias condições, tais como a concentração e a reatividade do agente de glicação, a presença dos fatores de catalisadores (metais, íons de buffer e oxigênio), o pH fisiológico e temperatura e meia-vida de cada proteína.


Várias proteínas ligadas a doenças neurodegenerativas, como β amilóide, tau, prions e transtirretina, foram encontrados estar glicadas em pacientes, e isto é pensado estar associado com o aumento da estabilidade da proteína através da formação de ligações cruzadas que estabilizam os agregados da proteína.
Príons não são vírus, nem bactérias: são modificações de proteínas normais do corpo. Embora em sua forma normal essas proteínas sejam inofensivas, o acúmulo da forma modificada pode levar à morte de neurônios. Com a degeneração das células nervosas, o tecido cerebral adquire um aspecto esponjoso. Por isso, as doenças causadas por príons são conhecidas como encefalopatias espongiformes.
Portanto, é essencial desvendar os mecanismos moleculares subjacentes à glicação de proteína para compreender seu papel na neurodegeneração. O papel da glicação de proteínas nas principais doenças neurodegenerativas e o destaque no valor potencial da glicação de proteínas como biomarcador ou destino da intervenção terapêutica.

Na doença de Alzheimer (AD), depósitos extracelulares de peptídeo β amilóide (ABeta) (placas amilóides) e depósitos intracelulares de proteína tau (emaranhados neurofibrilares) são as principais características patológicas.




Desde a descoberta de hemoglobina glicada por Dglucose, que é atualmente utilizado como um biomarcador da doença diabetes, a glicação foi amplamente investigado. No entanto, D-glucose é o menos reativo de todos açúcares redutores e sua concentração intracelular é insignificante, enquanto compostos reativos dicarbonílicos são mais reativo. O metilglioxal, presente em todas as células é considerado ser o agente mais reativo da glicação. Methylglyoxal é formada principalmente pela não-enzimáticos β-eliminação do grupo fosfato do triose fosfatos derivados da glicólise.
Um aumento em compostos dicarbonílicos (estresse carbonila) é frequentemente realizado sob a hiperglicemia, o estresse oxidativo ou atividade diminuída de seus caminhos catabólicos.
AGEs podem afetar diretamente a estrutura e a função da proteína e, além disso, as proteínas AGES-modificadas também exercem efeitos celulares mediados por receptores específicos, incluindo o receptor scavenger do macrófago, MSR tipo II, OST-48, 80K-H, galectina-3, CD36 e receptor para AGEs (RAGE).
RAGE pertence à imunoglobulina superfamília de receptores, com um amplo repertório de ligantes que podem ser gerados endogenamente, tais como AGEs, fibrilas Abeta, fibrilas amilóides transtirretina, e anfoterina mediadores pró-inflamatórios como-citocinas, da família S100/calgranulina. Um exemplo é o emprego de fibrilas amilóides. Estas fibrilas são formadas quando determinadas proteínas se enovelam de forma incorreta formando agregados insolúveis. De causas ainda desconhecidas, este processo dá origem a diversas doenças,denominadas amiloidoses, como a doença de Alzheimer.

domingo, 20 de junho de 2010

234-Produtos de glicação avançada dietéticos e as complicações crônicas do diabetes

Produtos de glicação avançada dietéticos e as complicações crônicas do diabetes: uma revisão brilhante colocado na página da Sociedade Brasileira de diabetes em
Seg, 24 de Maio de 2010 14:13. Transcrito abaixo:

Artigo original:
Produtos de glicação avançada dietéticos e as complicações crônicas do diabetes.
Barbosa, J. H. P; Oliveira, S. L.; Seara, L. T.
Revista de Nutrição de Campinas, 22(1): 113-124, jan/fev, 2009.


Marcella Lobato Dias Consoli
Nutricionista graduada pela Universidade Federal de Ouro Preto
Mestre em Ciência de Alimentos pela Universidade Federal de Minas Gerais
Doutoranda em Nutrição Clínica pela Faculdade de Medicina da UFMG
Nutricionista do Centro de Diabetes de Belo Horizonte - CDBH

Este tema, ainda pouco familiar para nutricionistas e diabetologistas está nas maiores rodas de discussão do mundo. O Congresso Europeu de Endocrinologia realizado em Praga, em abril deste ano, mostrou que este assunto é a “bola da vez”, como disse o Dr. André G. Daher Vianna do Centro de Diabetes de Curitiba.

Ao pesquisar sobre o tema encontram-se vários artigos recentes e algumas revisões de literatura. O artigo que me chamou a atenção, e que vamos discutir aqui, é uma revisão nacional publicada na Revista de Nutrição de Campinas em fevereiro do ano passado. Realizada por um grupo de nutricionistas especialistas da Universidade Federal de Alagoas as informações apresentadas nesta revisão apontam para o fato de que os produtos de glicação avançada presentes na alimentação constituem importantes determinantes do pool endógeno desses produtos e, consequentemente, da toxicidade associada a esses compostos no contexto das complicações crônicas do diabetes.

O artigo revisou os bancos de dados Medline, PUBMed, Periódicos da CAPES,ScienceDirect e Scielo procurando publicações dos últimos 15 anos. Ao final, foram selecionados 57 artigos científicos com textos completos discutidos nas 12 páginas da revisão.Apesar de sabermos da existência dessas substâncias, apenas poucos AGEs foram claramente identificados e podem ser quantificados em estudos laboratoriais. A carboximetillisina (CML) é a mais amplamente estudada. Existem ainda a pirralina e a pentosidina. O artigo explica o mecanismo de formação dos AGEs de forma didática e de fácil entendimento.

As autoras enumeram os mecanismos básicos pelos quais os produtos de glicação avançada podem danificar as células, que são três:

Modificação de estruturas intracelulares, incluindo aquelas envolvidas com a transcrição gênica;

Interação de AGEs com proteínas da matriz extracelular, modificando a sinalização entre as moléculas na matriz e a célula, gerando uma disfunção;

Modificação de proteínas e lipídeos sanguíneos. Essas moléculas modificadas podem, então, se ligar a receptores específicos, promovendo a produção de citocinas inflamatórias e fatores de crescimento, os quais, por sua vez, contribuem para a doença vascular.
A dieta é considerada atualmente a mais importante fonte exógena de AGEs. Diversos fatores afetam a formação desses compostos no alimento dentre eles:

A composição em nutrientes: observa-se que aqueles alimentos ricos em lipídios, como a manteiga, a margarina e o queijo parmesão, apresentam as maiores concentrações de AGEs. No grupo das bebidas, os sucos naturais e o leite desnatado apresentam proporcionalmente menor teor de AGEs em contraposição aos altos valores encontrados na fórmula láctea infantil.

O método de preparo: métodos que utilizam temperaturas superiores a 170°C, como fritar, assar e grelhar potencializa a formação de AGEs. Importante: a temperatura e o método de cocção são mais críticos para a geração de AGEs que o tempo empregado no processamento. Isto é evidente, por exemplo, nos valores mais altos de AGEs das amostras de peito de frango frito por 8 minutos (73.896U/g), quando comparadas as amostras cozidas por 1 hora (11.236U/g).

A presença de compostos com propriedade antiglicação e/ou antioxidantes nos alimentos: algumas substâncias demonstraram efeitos anti-AGE importantes como a piridoxamina, alilcisteína (componente do extrato de alho), compostos fenólicos, vitaminas C e E, tiamina, taurina e carnosina.
Para se tentar ter uma idéia da quantidade de AGEs que ingerimos, estima-se que uma refeição ocidental convencional (rica em proteína e em gordura, preparada sob altas temperaturas) contenha entre 12 a 22 milhões de unidades de produtos de glicação avançada, os quais podem ser parcialmente absorvidos e distribuídos pelo sistema circulatório nos diversos tecidos, contribuindo para o estado pró-inflamatório associado ao diabetes.

No artigo é possível saber mais sobre a ação e a correlação dos diferentes tipos de AGEs na patogênese das complicações diabéticas. Outro destaque é a compilação de parte da tabela com conteúdo de AGEs em alimentos adaptada de Goldberg et al. (2004).

O assunto é muito interessante e desperta em nós, nutricionistas e diabetologistas, uma nova área para pesquisa em diabetes.

Boa leitura a todos!

quarta-feira, 16 de junho de 2010

233- Soja

A soja é a leguminosa que apresenta maior teor de proteínas, até 40%, e está entre as três com maior teor de lipídios (atrás do amendoim e do tremoço), o que faz desse grão ser de maior valor enconômico entre os grãos. As frações proteicas 11S e 15S são formadas por glicinina livre e polimerizada, respectivamente. Enquanto a fração 7S consiste em beta - conglicinina, além de alfa-amilase, lipoxigenase e hemaglutinina (lectinas), e a fração 2S é composta por inibidores de tripsina e por citocromo C. Glicinina (legumina- tem mais metionina e cisteína) e beta-conglicinina (vicilina - ricas em aspartato/asparagina, glutamato/glutamina, leucina e arginina) são globulinas e representam, respectivamente, 40 e 25% das proteínas de reserva do grão de soja. Esta última é uma glicoproteína que contém cerca de 5% de sua massa em carboidratos, em geral unidades de manose que se ligam a resíduos de asparagina. Essa fração da proteína da soja apresenta-se praticamente livre de metionina, o que faz com que esse aminoácido represente apenas cerca de 1,4% do total das proteínas de reserva.
Além da metionina e da cisteína, o triptofano também pode estar em quantidades limitantes nas proteínas da soja.
Existe diferentes cultivares de soja transgênica. Um exemplo clássico é o das variedades que receberam genes de Bacillus thuringiensis, chamadas variedades Bt. Esses cultivares de soja ( e também de diversas outras plantas, como milho, algodão, tomate e batata, entre outras) sintetizam uma proteína, proveniente do gene inserido da bactéria, que apresenta atividade inseticida, fornecendo imunidade em diferentes níveis, especialmente contra o ataque de larvas. Maior atenção foi dada para a variedade criada pela empresa americana Monsanto, com o nome comercial de Roundup ready, que foi modificada para resistir ao herbicida Round up da mesma empresa. Este herbicida tem como ingrediente ativo o glifosato, um potente inibidor da enzima 5-enolpiruvilchiquimato-3-fosfato sintetase (indispensável à sintese dos aminoácidos aromáticos: fenilalanina, tirosina e triptofano). A soja transgênica, por sintetizar a enzima resistente, é o único vegetal capaz de reisitir à utilização do herbicida, o que facilita sua aplicação e, segundo seu fabricante, reduz a dosagem e a frequência de aplicação do produto. É importante notar que os animais que os animais não possuem as rotas bioquímicas de síntese dos aminoácidos aromáticos, que são considerados essenciais para o homem. Conseqüentemente, em princípio o contato com glifosato não é tóxico nem danoso aos animais.
A soja está entre os alimentos que mais causam alergia em crianças (ficando atrás apenas do amendoim, letie de vaca e ovo) e apresenta mais de 30 proteínas com capacidade de induzir a produção de imunoglobulinas do tipo E(IgE).
-KOBLITZ, Maria Gabriela Bello. Matérias-primas alimentícias: composição e controle de qualidade/Maria Gabriela Bello Koblitz, Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2011. 301p.
Byun JS; Lee SS. Effect of soybeans and sword beans on bone metabolism in a rat model of osteoporosis. Ann Nutr Metab. 2010; 56(2): 106-12.
As isoflavonas de soja têm sido relatadas para prevenir a perda óssea em modelos de rato da osteoporose. No entanto, o efeito da soja natural que as pessoas consomem em sua dieta precisa de ser explorada. No presente estudo, foram avaliados os efeitos da soja amarelo e preto (Glycine max) e feijão (espada gladiate Canavalia) sobre a densidade mineral óssea (DMO), conteúdo mineral ósseo (BMC), e biomarcadores ósseos em ovariectomizadas (OVX) ratos .
O consumo de soja amarelo e preto, feijão e espada tinha um efeito protetor definitivo sobre a perda óssea em ratas OVX de remodelação óssea e prevenir a inibição da reabsorção óssea. Além disso, o consumo de feijão espada pode ajudar a prevenir a osteoporose pós-menopausa.


Shidfar F et al. Effects of soy bean on serum paraoxonase 1 activity and lipoproteins in hyperlipidemic postmenopausal women. Int J Food Sci Nutr. 2009; 60(3): 195-205, May.
Por causa de um perfil lipídico desfavorável, as mulheres na pós-menopausa correm o risco de doença cardiovascular. A proteína de soja pode ajudar a proteger contra esses fatores de risco, apesar de seu efeito sobre a paraoxonase 1 (PON1) não é clara.
A proteína de soja reduz o risco de doença cardiovascular em mulheres pós-menopáusicas, tanto por reduções modestas nas lipoproteínas do soro e um aumento na atividade PON1.


Yamori Y. Worldwide epidemic of obesity: hope for Japanese diets. Clin Exp Pharmacol Physiol. 2004; 31 Suppl 2: S2-4, Dec.
Uma vez que ambos os nutrientes, como as isoflavonas e de fitoestrógenos histidina como o precursor da histamina podem afetar os mecanismos de apetite central, a soja e o consumo de peixe pode ser recomendada para controle da obesidade, o maior risco de doenças comuns relacionadas com o estilo de vida.


Borges DS; Costa TA. Efeitos da suplementação com farinha de soja, fibra de trigo e farinha de aveia sobre variáveis bioquímicas e morfométricas em ratos wistar/ Effects of the supplementation with soya flour, wheat fiber and oatmeal on the morphometric and biochemical variables in wistar rats. Arq. ciências saúde UNIPAR. 2008;12(3)set.-dez.
As isoflavonas reduzem as chances de as pessoas apresentarem doenças crônicas. As fibras previnem doenças como a constipação, a diverticulite, a hipercolesterolemia, a hiperglicemia, a obesidade, o câncer de intestino grosso e da mama. Conclui-se que as fibras insolúveis foram eficazes para reduzir acúmulo de gordura abdominal e ganho de peso, indicando que as fibras podem ser utilizadas no tratamento da obesidade. Já as fibras solúveis mostraram-se eficazes para manter baixos os níveis séricos de colesterol total, o que sugere a inclusão dessas fibras às dietas de pessoas hipercolesterolêmicas(AU).


Bandera EV et al. Phytoestrogen consumption and endometrial cancer risk: a population-based case-control study in New Jersey. Cancer Causes Control. 2009;20(7): 1117-27.
Fitoestrogénios têm mostrado exercer efeitos anti-estrogênicos e estrogênica em alguns tecidos, incluindo o de mama. No entanto, poucos estudos avaliaram seu papel no risco de câncer endometrial. Nós avaliamos a associação em um estudo caso-controle de base populacional em New Jersey. Um total de 424 casos e 398 controles completou uma entrevista, incluindo um questionário de freqüência alimentar com a perguntas complementares de alimentos phytoestrogen. As estimativas de risco foram calculadas com base em uma regressão logística incondicional, ajustados segundo os principais fatores de risco para câncer endometrial. Havia alguma sugestão de uma diminuição do risco com a ingestão de quercetina (OR: 0,65, IC 95%: 0,41-1,01 para o mais alto em comparação com o quartil mais baixo, p de tendência: 0,02). Encontramos uma evidência limitada de uma associação com qualquer uma das lignanas avaliados, lignanas total, coumestrol, isoflavonas individuais, total de isoflavonas, fitoestrógenos ou total. No entanto, houve uma sugestão de uma associação inversa com a ingestão de isoflavonas limitada às mulheres magras (IMC menor que 25, ou para o mais alto tercil: 0,50 IC 95%: 0,25-0,98) e aqueles com uma relação cintura-quadril.

Messina MJ. Emerging evidence on the role of soy in reducing prostate cancer risk. Nutr Rev; 2003; 61(4): 117-31.
Soja é a única fonte dietética de isoflavonas, que têm efeitos relevantes hormonais e não hormonais para a prevenção do câncer de próstata. In vitro, as isoflavonas de soja principal genisteína, inibe o crescimento de células de câncer de próstata, em animais, a maioria, mas nem todos os estudos mostram que a proteína de soja e isoflavonas (isolados rico em isoflavonel) inibem o desenvolvimento do tumor de próstata. Atualmente, embora apenas os dados epidemiológicos limitados indicam que o consumo de soja reduz o risco de câncer de próstata, os resultados de um estudo piloto sugerem que as isoflavonas de intervenção podem ser benéficas para pacientes com câncer de próstata. Por várias razões, os homens preocupados com sua saúde da próstata pode considerar a incorporação de soja em sua dieta.


Messina M; Bennink M. Soyfoods, isoflavones and risk of colonic cancer: a review of the in vitro and in vivo data. Baillieres Clin Endocrinol Metab. 1998; 12(4): 707-28.
Os alimentos a base de soja e de componentes da soja tem recebido atenção considerável nos últimos tempos devido ao seu papel potencial em reduzir risco de câncer. Embora a relação entre a ingestão de soja e o risco de câncer de mama e de próstata tem sido o foco de maior interesse, a relação entre a ingestão de soja e outros tipos de câncer, incluindo câncer colorretal, também foi estudada. Vários anti-cancerígenos foram identificados em soja, mas o maior entusiasmo para os potenciais efeitos anti-câncer de soja, sem dúvida, decorre de trabalhos envolvendo as isoflavonas de soja. As isoflavonas têm uma distribuição limitada na natureza, e, para fins práticos, são os únicos soyfoods nutricionalmente importante fonte de ingestão desses fitoquímicos. As isoflavonas são estrógenos fracos, mas possuem outros atributos biológicos potencialmente importantes, independentemente da sua capacidade de se ligar ao receptor de estrógeno. As isoflavonas genisteína inibem o crescimento da maioria dos tipos de células de câncer hormônio-dependente e independente do hormônio in vitro, incluindo células de câncer de cólon. Vários mecanismos para os efeitos in vitro anti-câncer da genisteína têm sido propostos, incluindo os efeitos sobre a transdução de sinal. Uma série de estudos epidemiológicos, principalmente de origem asiática, examinaram a relação entre a ingestão de soja e o risco de câncer colorretal. Embora estes estudos fornecem pouco suporte para um efeito protetor da soja, foram levantadas questões sobre a integralidade dos dados relativos ao consumo de soja, uma vez que a soja não era o foco desses estudos e a maior parte desta pesquisa foi realizada antes do recente interesse nos efeitos anti -câncer da soja. O efeito da ingestão de isoflavonas de soja / também tem sido estudado em roedores, mas, novamente, estes dados são conflitantes e fornecem apenas um modesto apoio para um efeito protector. Embora a relação entre a ingestão de soja e o risco de cancer do cólon é certamente digna de uma investigação mais aprofundada, há, neste momento, um apoio muito limitado para a soja em relação a exercer um efeito protetor contra este tipo de câncer.


Roudsari AH et al. Assessment of soy phytoestrogens' effects on bone turnover indicators in menopausal women with osteopenia in Iran: a before and after clinical trial. Nutr J. 2005; 4: 30.
Em vista do efeito benéfico da proteína de soja sobre os indicadores do metabolismo ósseo, a inclusão deste alimento relativamente barato na dieta diária de mulheres na menopausa, provavelmente irá atrasar a reabsorção óssea, prevenindo a osteoporose.

Entre as leguminosas, a soja constitui fonte alimentar de consumo crescente, representando importante fonte protéico-calórica usada na nutrição infantil. HERIAN et alii(1990) encontrou vários alérgenos da soja com sub-unidades de peso molecular 20 e 50-60 KDa. SHIBASAKI et alii (1980) observou que as maiores frações das proteínas de soja, a 2S, 7S e 11S, apresentavam atividade alergênica, sendo que a fração 2S foi reportada ser a mais alergênica entre os componentes da proteína de soja.

Myrian Thereza Serra Martins; Maria Antonia Martins Galeazzi. Alergia alimentar: considerações sobre o uso de proteínas modificadas enzimaticamente.Artigo publicado no Vol. IV / 1996 da Revista Cadernos de Debate, uma publicação do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Alimentação da UNICAMP, páginas 89-110.

terça-feira, 15 de junho de 2010

232- Soja conflitos

A soja no palco dos riscos e conflitos ambientais
Elaine de Azevedo
Nutricionista, doutora do Programa de Sociologia Política (CFH/UFSC)
Membro do Núcleo Interdisciplinar em Sustentabilidade em Redes Agroalimentares
(NISRA/UFSC)
Resumo
O presente artigo discorre sobre a questão dos riscos e conflitos, um dos temas centrais da alta modernidade, focando a área da Nutrição, na perspectiva da soja. Os objetivos desse trabalho são analisar de que forma o conceito da soja como alimento saudável vem sendo socialmente construído frente aos desafios das divergências científicas que o circundam e também explorar a fronteira de conflitos e riscos na qual a soja parece transitar.


O conceito de alimento saudável e seguro navega entre os mais diferentes e controversos tipos de dietas, produtos e contextos e é perceptível, no âmbito da ciência da Nutrição e da saúde, o convívio com as dúvidas do que é um alimento com tais qualidades. Até mesmo o senso comum
leigo percebe que as orientações nutricionais estão cada vez mais contraditórias. A cada dia, surgem novos estudos questionando ou contradizendo práticas alimentares que se estabeleceram como saudáveis ao longo do desenvolvimento da ciência da Nutrição.


E porque a soja? O seu consumo tem aumentado significativamente e a leguminosa está presente em mais da metade dos alimentos processados e industrializados da nossa dieta cotidiana.
Percebemos no meio científico uma grande quantidade de pesquisas realizadas nos últimos anos que estimulam o consumo de soja e apontam seu valor nutracêutico e nutricional. Tais pesquisas surgem ao mesmo momento em que muitos governos e grandes corporações de alcance mundial estimulam o cultivo e produtores lidam com grande quantidade de excedente de grãos de soja no mercado interno e internacional.


A controvérsia (e os riscos) aparece porque existem também pesquisas científicas que questionam o consumo da soja para o ser humano e contra-indicações ao consumo regular de soja não-fermentada; isto é, na forma de grão, proteína texturizada e extrato de soja. Tais restrições surgiram dentro da cultura alimentar dos antigos chineses. Esse povo consumia regularmente soja como vagem verde (ededame) ou fermentada, na forma de misso, shoyo, natto e tempeh, e usavam o grão para adubação verde. Atualmente, já existem pesquisas científicas que apóiam essas restrições mostrando que a ingestão da soja não-fermentada é desaconselhável devido à presença de fatores antinutricionais desativadores de enzimas e inibidores de crescimento, naturalmente encontrados no grão. Além disso, mais recentemente, estudiosos alertam que doses elevadas de fitohormônios presentes nas fórmulas infantis a base de soja estimulam uma ação estrogênica natural, que pode afetar, especialmente, os neonatais masculinos e que esses hormônios podem causar problemas na tireóide e câncer.


Existem pesquisas científicas que questionam o consumo da soja para o ser humano. Tais pesquisas demonstram que a ingestão da soja não-fermentada é desaconselhável devido à presença de fitatos e oxalatos, fatores antinutricionais desativadores de enzimas e inibidores de crescimento, naturalmente encontrados no grão. Estudos de Liener e colaboradores de 1986, 1988, 1995 e 1996 sinalizam a relação da soja e seu fator antitripsina a disfunções como hiperplasia e formação de nódulos no pâncreas. Pesquisas de Fort (1990), Ishizuki (1991), Chorazy (1995), Jabbar (1997), Divi (1997) e suas equipes identificaram a isoflavona como um potencial agente na etiologia das disfunções da tireóide em crianças. Outros estudos como o de Keung (1995), Cline et al (1996) e Cassidy et al, (1994) sugerem que a isoflavona inibe a síntese do estradiol e de outros hormônios esteróides e podem causar distúrbios hormonais. Além disso, especialistas alertam que fitohormônios presentes nas fórmulas infantis à base de soja estimulam uma ação estrogênica natural que pode afetar especialmente os neonatais masculinos, particularmente vulneráveis a ação dessas substâncias (IRVINE, 1988; SECHTELL, 1998; FITZPATRICK, 2000). Parecem existir ainda mais controvérsias em pesquisas no campo da soja e câncer de mama. Enquanto alguns estudos como o de Do et al (2007) e Lamartiniere (2000) mostram que a soja oferece um efeito protetor contra câncer de mama, outros mostram que os efeitos estrogênicos da isoflavona pode ser pernicioso para mulheres com propensão a esse tipo de câncer hormônio dependente (NISHIO et al, 2007; PETRAKIS et al, 1996; LEE et al, 1991).


Collins e Pinch (2003) ressaltam que a pergunta “em quem acreditar?” não leva a lugar nenhum, pois ela trata somente de cientistas em desacordo. Para tomar uma decisão sobre ingerir ou não soja (ou qualquer outra decisão que exija bases cientificas), o leigo precisa ter conhecimento suficiente sobre questões técnicas. Entretanto, na maioria das vezes esse conteúdo é de difícil compreensão para quem não é perito na área. O que o leigo precisa realmente conhecer são as relações entre especialistas, os políticos, a mídia, os bastidores da ciência, como tentamos explorar. Ai então sua escolha é possível e mais consciente.

A pesquisa em soja é mais um exemplo de debates não solucionáveis e esse artigo aponta que isso faz parte da ciência e seus bastidores. Concordamos com Irwin e Beck que mais ciência não pode resolver esses impasses e que a informação que precisamos “não é sobre o conteúdo da ciência, é sobre a relação entre os especialistas e o político, os meios de comunicação e o público” (COLLINS; PINCH, 2003, p. 196). Precisamos reconhecer a ciência como um processo social como Irwin (2001) ressalta, um processo que inclui relações entre cientistas, origens institucionais e interesses diversos em tornar um tema relevante ou irrelevante.

segunda-feira, 14 de junho de 2010

231- 5 tipos de substâncias na soja que podem ser tóxicas para os humanos

Existem uns 5 tipos de substâncias na soja que podem ser tóxicas para os humanos, caso não sejam removidas através de processamento especial.
Existem substâncias químicas produzidas naturalmente na soja que, se não forem removidas (deixar a soja de molho antes de cozinhar, fazer um cozimento lento e permitir fermentação), podem causar sérios problemas de saúde, se ingeridos em demasia.
As principais toxinas da soja são alergênicos, fitatos, inibidores de protease, genisteína, e goitrogênicos (causadores do bócio, ou papo).
Os asiáticos, após milhares de anos, aprenderam a remover as toxinas e a tirar proveito dos ricos nutrientes da soja.
Os alergênicos podem causar reações alérgicas muito pronunciadas em algumas pessoas, que provavelmente inclui de 10 a 20 por cento da população do mundo ocidental.
Os fitatos por se ligarem muito fortemente a minerais essenciais, especialmente o zinco, impedindo que esses minerais sejam absorvidos no organismo, podem ser um problema
Alguns estudos têm indicado que um consumo excessivo de fitatos em crianças pode causar raquitismo, devido à sua ação zinco-depletiva.
Os fitatos deixam de ser um problema se proteína animal for incluída na dieta.
O zinco é necessário para mais de 50 reações enzimáticas no organismo, inclusive muitas daquelas necessárias para as funções cerebrais.
Altos níveis de cobre e baixo de Zinco
E se tiver predominância estrogênica, ou estiver tomando anticoncepcionais, você já tem um problema com os altos níveis de cobre e os baixos níveis de zinco, e isso só vai piorar a situação.
A Dra. Ellen Grant, pesquisadora hormonal da Inglaterra, acredita que é esse desequilíbrio que causa mudanças de humor e irritação na TPM, bem como em mulheres na menopausa.

A genisteína [das isoflavonas] é a próxima na lista dos antinutrientes.
A sua estrutura é similar à do estradiol, se encaixa muito bem nos receptores de estrogênio das células, acionando esses receptores da mesma forma que o estradiol.
Porém, a genisteína desempenha muitas outras atividades no corpo humano.
Ela inibe um grande número de diferentes enzimas, algumas das quais responsáveis pela síntese do estrogênio, incluindo as que convertem androgênios em estrona (aromatase) e estrona em estradiol (17-HSD).
A genisteína é também um potente inibidor da tirosina cinase - enzima que transporta moléculas de fosfato de alta energia para o interior das células, com o objetivo de acionar processos celulares como a proliferação de células.
As células cancerosas tendem a ativar a tirosina cinase, portanto a genisteína tem demonstrado ser bastante útil no bloqueio da proliferação de células.
No entanto, isso pode ser uma faca de dois gumes, pois as células normais também necessitam de um pouco de atividade das tirosinas cinases.
Isso inclui folículos capilares, neurônios da memória no cérebro, etc.
Outra coisa que um alto nível de genisteína faz é bloquear o transporte de glicose para as células, ao inibir a enzima chamada GLUT-1.
Ela é um dos principais transportadores de glicose que ficam no lado de fora das células cerebrais, glóbulos vermelhos do sangue, e em muitos outros locais, e que levam glicose para as células.
Como o cérebro é muito dependente da glicose como fonte de energia, existe uma preocupação que muita genisteína por um período prolongado de tempo possa ser tóxica para o cérebro.

Posição do Dr. David Zava:
"Com terapia de reposição de progesterona e/ou estrogênio, a mulher muitas vezes obtém um alívio completo dos sintomas da menopausa.
Como os hormônios naturais são seguros e eficazes, quando usados de forma adequada, eu acho que forçar o uso da soja é uma abordagem equivocada, além de comprometer seriamente a saúde e a qualidade de vida de milhões de mulheres."

Alimentos à base de soja podem ser importantes como parte de uma nutrição equilibrada e estilo de vida adequado para os sintomas da menopausa, porém eles não representam uma solução por si mesmos. Mesmo o consumo em altas doses de derivados de soja repletos de isoflavonas pode suprimir apenas minimamente os sintomas da menopausa, para a maioria das mulheres.
O recente estudo da Bowman-Gray School of Medicine examinou o poder da proteína de derivados de soja em aliviar os sintomas da menopausa. O lado positivo do estudo foi que a intensidade das ondas de calor foi reduzida. Porém, não houve diferença estatística quanto ao número de ondas de calor que essas mulheres apresentavam.

Com terapia de reposição de progesterona e/ou estrogênio, a mulher muitas vezes obtém um alívio completo dos sintomas da menopausa. Como os hormônios naturais são seguros e eficazes, quando usados de forma adequada, eu acho que forçar o uso da soja é uma abordagem equivocada, além de comprometer seriamente a saúde e a qualidade de vida de milhões de mulheres.
http://www.novatrh.net/soja.html


GOITROGÊNICO
O quinto antinutriente da soja é um goitrogênico. É uma substância que se "gruda" ao iodo, evitando a sua absorção pelo organismo a partir do trato gastrointestinal.
Este fator diminui na captação de iodo pela tireóide.
O iodo é necessário para a produção do hormônio da tireóide.
A genisteína funciona como um pró-estrógeno e não como um antiestrógeno, como o tamoxifen.
A sugestão da imprensa popular de que a genisteína, em concentrações encontradas nos alimentos, inibe o desenvolvimento do câncer da mama está simplesmente errada e não tem base em fato científico.
Na Segunda Conferência Sobre Soja, ocorrida em Bruxelas - Bélgica, relataram que proteínas de derivados de soja aumentaram a proliferação de células normais dos seios de humanos saudáveis.
Se você não for alérgico a alimentos de soja, consuma de preferência os produtos fermentados, como missô ou tempê, pois muitos dos antinutrientes já foram reduzidos nessa forma.
Caso você coma soja na forma de tofu, leite de soja ou em pó, por exemplo, coma-os em conjunto com plantas marinhas ricas em minerais, como kombu e nori, além de proteína animal, de preferência peixe, para contrabalançar os conteúdos mais elevados de antinutrientes, tais como fitatos e inibidores de enzimas digestivas.
Médicos continuam afirmando que reposição hormonal continua sendo o tratamento de primeira escolha.
Os fitohormônios acabam sendo usados em duas ocasiões: contra-indicações precisas dos remédios tradicionais e inadaptação da paciente à terapia.
Recentemente, a agência indeferiu os pedidos de registro de alguns alimentos, entre os quais os derivados da soja Mega Soy, Isoflavona de soja, Isoflan, Soybean, Isoflavona, Proestron, Isoflaris e Previna.
Estes são alguns dos 18 produtos investigados pelo Idec.
Além disso, um workshop sobre isoflavonas, promovido pela Anvisa em 29 de setembro, estabeleceu como consenso que isoflavonas sejam consideradas medicamentos fitoterápicos.
A literatura científica mostra que as doses terapêuticas diárias de isoflavona necessárias para obtenção dos efeitos propostos são variáveis ou extraordinariamente elevadas.
Como exemplo, efeitos cardiovasculares desejáveis devem ser produzidos por doses em torno de 62 mg/dia, segundo estudo de John Crouse, do Departamento de medicina da Wake Forest University, Carolina do Norte, EUA.
Para produzir efeitos protetores contra osteoporose, a dose diária seria em torno de 80 mg de isoflavona.
Quanto à utilização na terapia de reposição hormonal, doses de 50 mg a 90 mg ao dia são propostas em vários trabalhos, enquanto para o combate ao câncer seriam necessárias de 100 mg a 400 mg por kg/dia.
Por exemplo, o Gynoflavona, indicado para terapia de reposição hormonal, proteção contra osteoporose, doenças cardiovasculares e câncer, propõe a ingestão de um a três comprimidos ao dia. Como o produto apresenta-se na forma de comprimidos de 8 mg ou de 16 mg, nem mesmo a dose diária máxima sugerida pelo fabricante (48 mg) seria capaz de produzir os efeitos sugeridos, conforme dados mencionados nos trabalhos científicos.
Outro problema verificado com a utilização de isoflavonas tem fundamento em sua necessária associação com componentes nutricionais da soja para surtir os efeitos desejáveis.
Um estudo demonstrou que apenas quando 95 mg de isoflavona são administradas em associação com 50 g de proteínas da soja pode-se promover um declínio de 2,6% nas concentrações de colesterol não HDL em tempo médio de tratamento.
Isso corresponderia a uma modesta redução de 6 mg/dL.

domingo, 13 de junho de 2010

230- Ser ou não ser/ Educação por Viviane Mosé

Veja 6 vídeos sobre a educação em http://hilarioseara.blogspot.com/

TERÇA-FEIRA, 18 DE MAIO DE 2010
Artigo de Viviane Mosé - A fragmentação do ensino

229- Isoflavonas

Alicja Mortensen et al. Analytical and compositional aspects of isoflavones in food and their biological effects. Mol. Nutr. Food Res. 2009, 53, S266 –S309

228- Alergia ao molho de soja

Antecedentes molho de soja é conhecida como um tempero japonês tradicional, ou seja, shoyu. Shoyu tem não só benefícios, mas também efeitos adversos. Pacientes nossos quatro pacientes desenvolveram a celulite e dermatite em torno dos lábios com irritação após uma refeição com shoyu.
A idade dos pacientes foi de 10, 35, 46 e 51 anos, eram todas do sexo feminino.
Pode ser causada por reações alérgicas ao shoyu, o segundo, que pode ser causado por envenenamento por histamina. É importante para determinar se a inflamação é causada por reações alérgicas ou intoxicações histamina.
Quatro pacientes tiveram reações positivas pelo teste do prick após o uso de alguns molhos. Nós suspeitamos que a histamina causa os sintomas, mas nove voluntários normais tiveram reações negativas. Os resultados mostraram que o molho feito de soja e fava continha histamina, mas em outros molhos histamina não foi detectada.
Conclusões: Neste estudo, foram confirmados por testes cutâneos, quatro casos de alergia ao molho de soja, que foi causado por alguns produtos durante a fabricação de cerveja. Quando os pacientes com inflamações na boca, depois de uma refeição que contêm ou utilizam molho de soja, são analisados, deve ser considerado se a celulite ou dermatite alérgica foram desenvolvidos por reação, ou por envenenamento de histamina.


Sugiura K; Sugiura M. Soy sauce allergy. Journal European Academy of Dermatology and Venereology. 2010; 24: 852–855.

227- Genisteína da soja e linfoma

McCal JL; Burich RA; Mack PC. GCP, a genistein-rich compound, inhibits proliferation and induces apoptosis in lymphoma cell lines. Leukemia Research. 2010;34:69–76.

Polissacarídeo Genisteina Combinado (GPC), derivados de extrato de soja, é um composto de isoflavonas deglicosilada como a genisteína e daidzeína. Devido a sua mínima toxicidade, aumento de biodisponibilidade e eficácia in vitro, GCP podem ter utilidade clínica no tratamento de pacientes com linfoma. Os principais componentes da soja incluem a genisteína isoflavonas,daidzeína, gliciteína, coumestrol, formononetina e biochanina A; destas a genisteína, é a mais prevalente e melhor caracterizada. É um conhecido inibidor da quinase da tirosina e tem demonstrado efeitos múltiplos no sinal intracelular das vias de transdução. Park et al. mostraram que a genisteína induz a apoptose em linfoma de grandes células anaplásico de uma maneira tempo e dose-dependente. As isoflavonas presentes na soja são geralmente conjugadas com açúcares. Isoflavonas glicosiladas não são facilmente absorvidos pelo intestino, levando a biodisponibilidade pobres. A glicosidase, produzido pelos cogumelos, converte as isoflavonas glicosiladas na biologicamente formas ativas deglicosilada. Em resumo, descobrimos que o tratamento de linhas de células do linfoma com o BPC leva à inibição significativa da proliferação celular e parada do ciclo. O mecanismo (s) pelo GCP, que inibe a proliferação e induz a apoptose ainda não está claramente definida.
Utilizando doses possíveis em pacientes humanos, determinou-se que o GPC, como um único agente, tem significativa atividade in vitro contra células de câncer de origem linfóide. Esta é uma descoberta significativa em Instituto Nacional do Câncer e outras agências estão enfatizando a utilização de modelos animais de grande porte, em vez de modelos murinos. Estes estudos, que investigam segurança e toxicidade do GCP, podem produzir provas para justificar o desenvolvimento para o tratamento de humanos linfoma.

sábado, 12 de junho de 2010

226- Síndrome dos ovários policísticos e AGEs

Síndrome do ovário policístico

A síndrome do ovário policístico (SOP) é um quadro em que o os ovários produzem quantidades elevadas de andrógenos (hormônios masculinos), particularmente a testosterona. A SOP ocorre em cerca de 6% das mulheres, enquanto que a amenorréia e a oligorréia (fluxo menstrual infreqüente) são bastante comuns. De acordo com um estudo de 2002, quase 30% das mulheres obesas com SOP tinham amenorréia (a taxa era inferior, 4,7%, em mulheres com peso normal).
Em casos de SOP, o aumento da produção de andrógeno produz altos níveis de HL e baixos níveis de HFE. Esse quadro faz com que os folículos não consigam produzir um óvulo maduro. Sem a produção de óvulo, os folículos se enchem de líquidos e formam cistos. Toda vez que um óvulo fica preso dentro de um folículo, um outro cisto se forma. Dessa forma, o ovário aumenta, ficando muitas vezes maior que uma laranja. Sem a ovulação, o corpo não produz progesterona, mas os níveis de estrógeno permanecem normais.

Os níveis elevados de andrógenos (hiperandrogenismo) podem causar obesidade, pêlos na face e acne, embora nem todas as mulheres com SOP apresentem tais sintomas. Outras características masculinas como voz grossa e aumento do clitóris são raras.

A SOP também representa um risco maior de resistência à insulina, particularmente em mulheres obesas. A resistência à insulina está associada a diabetes do tipo 2, na qual os níveis de insulina são normais ou altos, mas o corpo não consegue usar esse hormônio com eficiência. Na verdade, cerca de metade das pacientes com SOP também são diabéticas.


2 de março de 2008 — Atualização em tratamento da síndrome dos ovários policísticos. Jornada de Hormonioterapia em Ginecologia (Hormogin 2007)



2 de março de 2008 — Atualização em tratamento da síndrome dos ovários policísticos. Jornada de Hormonioterapia em Ginecologia (Hormogin 2007)
Tratamento das repercussões metabólicas da SOP - parte 2/3

Evanthia Diamanti-Kandarakis. Polycystic ovarian syndrome:pathophysiology, molecular aspects and clinical implications. http://www.expertreviews.org/ 2008; 10(3) January.

Evanthia Diamanti-Kandarakis. Short-term effect of orlistat on dietary glycotoxins in healthy women and women with polycystic ovary syndrome. Metabolism Clinical and Experimental. 2006; 55: 494– 500.

Produtos finais da glicação avançada exógena (AGEs, conhecidas moléculas aterogênicas) abundante no cotidiano précozidos, rico em gordura, refeições superaquecidas pode, eventualmente, contribuir para o aumento do risco de diabetes e doença cardiovascular em mulheres com síndrome de ovários policísticos (SOP ou PCOS ).

O objetivo do presente estudo foi investigar o efeito de um inibidor de lipase sobre a absorção de glicotoxinas alimentares em mulheres saudáveis e aqueles com síndrome do ovário policístico. Um protocolo de 2 dias foi seguido. No primeiro dia, uma refeição rica em AGE foi fornecida, que no segundo dia foi seguido por duas cápsulas de 120 mg do inibidor de lipase, orlistat. Os níveis séricos de AGEs foram avaliados no início (0 horas), e em 3 e 5 horas após as refeições durante o estudo.

Trinta e seis mulheres foram estudados, 15 controles (média de idade de 28,80 anos, índice de massa corporal, 25,85) e 21 com síndrome do ovário policístico (idade média de 25,29 anos, índice de massa corporal, 30,40) (University Hospital, em Atenas, Grécia). Os níveis séricos de AGEs, no dia 1, foram significativamente aumentados tanto no grupo controle e no grupo SOP comparados com valores basais (grupo controle, 14,1%; grupo SOP, 6,0%; P 0,001 b). O correspondente aumento foi significativamente menor no dia 2 quando a mesma refeição foi combinado com o orlistat (grupo controle, 4,1%; grupo SOP, 2,0%; P 0,01 b). Uma limitação do estudo é que ele é um nonplacebo, ensaio terapêutico randomizado, onde cada indivíduo é considerado como seu próprio controle.
Em conclusão, este estudo demonstrou o efeito benéfico do orlistat sobre a absorção de glicotoxinas alimentares.

Evanthia Diamanti-Kandarakis PCOS in adolescents. Best Practice & Research Clinical Obstetrics and Gynaecology. 2009; xxx 1–11.


Recentemente, os AGEs e seus receptores RAGE implicado nas cascatas moleculares de estresses inflamatórios e metabólicos, tem sido encontrado estar correlacionado com elevação de andrógenos em mulheres com SOP.
Os dados sugerem que a interação dos AGEs com RAGE prejudica a sinalização da insulina ao nível do IRS em dois modos: através da geração de espécies reativas de oxigênio (ROS), e independentemente do estresse oxidativo, via estimulação de serina quinase. Os dados sugerem que a interação dos AGEs com RAGE prejudica a sinalização da insulina ao nível do IRS em dois modos: através da geração de espécies reativas de oxigênio (ROS), e independentemente do estresse oxidativo, via estimulação de serina quinase. O papel dessas perigosas moléculas em outros estados de resistência insulínica tem sido determinado e resultados recentes relatam efeitos deletérios relacionados as implicações clínicas em mulheres com SOP. Além disso, o aumento dos níveis de AGEs podem ser associados com o componente reprodutivo/endócrino da síndrome do ovário policístico.
Dados preliminares mostraram aumento imunocoloração de AGEs e gordura em diferentes compartimentos do tecido do ovário em imulheres com a síndrome dos ovários policísticos.
A fonte de AGEs em mulheres normoglicémicas com SOP pode ser endógena ou exógena, uma vez que uma dieta rica em glicotoxinas tem sido associada com hiperinsulinemia, e hiperandrogenaemia e aumento do acúmulo de AGEs em ovários de ratas.
O reconhecimento crescente da ligação intrínseca da SOP com anormalidades metabólicas tem solicitado considerações a longo prazo das sequelas da síndrome. Entre os aspectos afetados em mulheres, a exacerbação do potencial metabólico , juntamente com o envelhecimento reforça o conceito da SOP como uma "questão de saúde ao longo da vida".

225- Fitoestrógenos - soja

Muitos estudos têm mostrado que a dieta e a nutrição contribuem para a saúde humana e prevenção do câncer.
Suplementos alimentares ou remédios sem prescrição médica contendo fitoestrógenos estão cada vez mais na moda. Infelizmente, o ingrediente ativo ou concentração de destes aditivos, muitas vezes não é indicado. Além disso, a compreensão dos fitoestrógenos está longe de ser satisfatória.
Fitoestrogênios é um grupo de substâncias, muitas das quais são genotóxico in vitro. No entanto, alguns deles não são genotóxicos in vitro e podem ser anti-genotóxico ou anticarcinogênicas inibindo enzimas metabólicas, proporcionando capacidade anti-oxidante, ou através do aumento da apoptose.

Notável é uma resposta muitas vezes descrita como bipolar in vitro, em que por exemplo, radicais com atividades scavenging podem explicar os efeitos de proteção contra a genotoxicidade de outros compostos, em doses certas de fitoestrógenos, torna-se aparentemente genotóxico em doses elevadas.

De acordo com a literatura, o fitoestrógeno que medeia a genotoxicidade, pode envolver uma série de diferentes mecanismos conhecidos de outras classes de agentes genotóxicos, e pode ser investigados para cada fitoestrógeno ou metabólito individualmente.

Faltando informações sobre a biodisponibilidade, o metabolismo e o acúmulo em tecidos humanos exigem trabalho adicional de pesquisa. As concentrações necessárias para os efeitos genotóxicos in vitro pode não pode ser alcançado in vivo. Também é possível que, através da captação de misturas complexas de origem vegetal da genotoxicidade de um fitoestrógeno é superado ou contrabalançado pela capacidade anti-genotóxico de outro composto.

Elevada proliferação celular pela estimulação hormonal pode representar um risco para a transformação de células e desenvolvimento do tumor, não só como promotor do tumor, mas também pelo aumento da instabilidade genômica. Medida de fitoestrógenos em geral apresentaram menor afinidade por receptores de estrógeno do que o fisiológico ligante estradiol, podendo atuar como promotores da proliferação na ausência de estradiol, mas ser anti-estrogênica (Reduzir a proliferação de células estradiol mediada), na presença de estradiol. Este último efeito tem sido invocado como um potencial efeito anti-cancerígeno.
Duas situações merecem atenção especial. O primeiro é o uso de fitoestrogênios na menopausa. Uma recente revisão avaliou os resultados de 105 estudos clínicos relacionados ao efeito de fitoestrógenos sobre a densidade óssea, saúde cardiovascular, capacidade cognitiva, prevenção do câncer e os sintomas da menopausa e mostrou que ainda não está claro se os fitoestrógenos reduzem o risco de câncer de mama, doenças cardiovasculares ou declínio cognitivo, mas eles pareciam diminuir o risco de osteoporose.

Concentrados de Fitoestrógenos muitas vezes são comercializados como se fossem não-hormonal. Isso pode representar um perigo para as mulheres dependentes de reposição hormonal em situação de risco de câncer, que não são conscientes.

Não há prova de que os efeitos hormonais ocorridos com fitoestrógenos são menores que os efeitos adversos alcançados pela terapia de reposição hormonal com estrógenos sintéticos.

Outra situação que merece atenção é a alimentação de recém-nascidos com produtos de soja. Aproximadamente 36% das crianças nos Estados Unidos recebem fórmula infantil a base de soja em algum ponto no seu primeiro ano de vida. Fórmula infantil de soja contém altos níveis de isoflavonas, genisteína e daidzeína. Lactentes consumindor de fórmulas de soja têm níveis de isoflavonas circulantes em uma ordem maior de magnitude do que os níveis que foram mostradas para produzir efeitos fisiológicos nas mulheres adultas consumindo uma dieta com alto conteúdo de soja. Uma recente revisão concluiu que os dados existentes não indicam efeitos adversos sobre o crescimento humano, o desenvolvimento ou a reprodução. No entanto, outros autores nos lembram que há muito pouca pesquisa sobre os efeitos do consumo de fitoestrogênios da soja em recém-nascidos humanos, mais que defendem uma abordagem de precaução a serem tomadas em situações onde há efeitos potenciais de desenvolvimento do consumo farmacológico de compostos ativos na pré-infância e na infância.

Em conclusão, de acordo com o estado atual do conhecimento da ingestão de concentrados de fitoestrogênios como suplementos não devem ser apoiados, mas uma dieta contendo grandes quantidades de alimentos vegetais ainda é considerada uma importante contribuição individual para a manutenção da saúde.


Stopper H, Schmitt E, Kobras K. Genotoxicity of fitoestrógenos. Mutation Research. 2005; 574: 139–155.